Repercussões: Stoke 4-1 Fulham


Neste sábado, o Fulham confirmou o que todos temíamos há um bom tempo. Fora de casa, os Cottagers levaram uma goleada por 4 a 1 diante do Stoke City, treinado pelo ex-treinador Mark Hughes. Com o revés, o clube londrino foi decretado rebaixado, após 13 anos seguidos na Premier League, com uma rodada de antecedência para o fim do campeonato inglês 2013/2014.

As críticas das mídias inglesas foram pesadas. Diante de uma partida tão decisiva, a postura do time foi apática e, segundo a BBC, o Stoke jogou como se estivesse disputando uma partida de pré-temporada. Além disso, a crítica foi muito forte com relação à campanha da temporada, principalmente pelo fato de três técnicos terem passado pelo comando do Fulham.

Kieran Richardson (D) fez o gol de honra, que pouco adiantou
Já o manager Felix Magath mostrou-se bem decepcionado com o fim desta temporada: "Este é um dos piores dias que já tive. Eu estava confiante que nós podíamos escapar do rebaixamento e eu estava convencido antes do jogo que tínhamos uma grande chance. Eu disse aos jogadores antes (do jogo) e eles pareciam confiantes e no vestiário eles estavam motivados para a luta".

"No começo do jogo nós não vimos nenhuma luta, nenhum espírito. Eles sentiram muito a pressão e não foram capazes de jogar o quanto podem. Nós fomos um pouco melhor no segundo tempo em relação ao primeiro, mas depois do segundo gol, não tivemos chances", declarou o treinador, que continuou: "Não houve razão para nossa performance, este foi o pior jogo desde que cheguei aqui. Você nunca pode dizer que algum jogador gostaria de ser rebaixado, mas eles não lutaram o bastante, especialmente hoje".

O goleiro Stockdale era um dos mais abatidos com o rebaixamento
Magath não parou por aí nas criticas aos jogadores. "Eu não esperava isso. Nós estávamos lutando contra o rebaixamento. Eu disse ao time, 'hoje era a grande chance', mas nós nunca tivemos chance". 

Contudo, o alemão não fugiu de sua responsabilidade: "Depois do jogo ninguém disse uma palavra. Todos estavam pra baixo, houve algumas lágrimas. Mas eu tenho que ter responsabilidade e me desculpar, não só por hoje, mas pela situação. Eu estava convencido que nós poderíamos continuar na liga, mas agora estamos rebaixados".

O capitão Brede Hangeland desabafou como estava se sentindo: "Sem dúvida, este é o pior dia da minha carreira. É muito difícil viver este dia. Eu estive aqui por seis anos e meio e eu mal posso explicar como me sinto, é extremamente decepcionante. Nós todos sabemos o que aconteceu e é um dia muito difícil para os jogadores. Os sinais de alerta estavam aí por um tempo e nós não pudemos administrar para deixar as coisas certas".

Torcida sofre com a queda
O zagueiro agradeceu e elogiou a torcida do Fulham que compareceu ao Britannia Stadium: "Eles foram sensacionais de novo, assim como foram toda temporada. Foi difícil aplaudi-los no final quando eles nos deram apoio nos 90 minutos. Nós não fizemos nada por eles, então nós temos que agradecê-los pelo apoio e esperamos que o clube volte mais forte".

Magath procura agora olhar para frente. Tendo ainda mais um ano de contrato, o treinador tem planos para o futuro do Fulham: "A primeira coisa para mim é olhar para nossa academia (equipes de base) e olhar por jogadores que possam juntar-se a nós na próxima temporada. O Fulham é um clube com uma academia de jovens muito boa". 

O manager tem razão: a equipe sub-21 tem feito uma campanha muito consistente no campeonato inglês da categoria, e o time de garotos do sub-18 venceu o primeiro jogo da final da FA Cup contra o Chelsea.

Rodallega e Dejagah desolados no fim da partida
"Para mim, temos que trabalhar, para construir um time com parte dos jogadores de nossa academia. Eu estou preparado para esta situação. Nós temos muito trabalho, porque nós temos que mudar algumas coisas se o Fulham quer tornar-se um clube que pode fazer parte da Premier League", completou Magath.

O próximo, último e melancólico jogo será em Craven Cottage, diante do Crystal Palace, para fechar a temporada 2013/2014.