Aaron Hughes: o fim de uma era


Foram seis anos e meio, 250 jogos e uma formidável dupla de zaga com Brede Hangeland em praticamente todo esse tempo. A história de Aaron Hughes no Fulham terminou nesta sexta-feira, no último dia da janela de transferências: o zagueiro foi anunciado pelo QPR, que tenta voltar à elite inglesa.

Aos 34 anos, Hughes já não vinha conseguindo manter o nível de atuações que o ajudou a ser um dos pilares de um time estável na Premier League. Nesta temporada, sua lentidão o colocou na reserva de uma equipe que, nada orgulhosamente, ostenta a pior defesa da liga até aqui.

A chegada em 2007: Hughes (E), Davis, Healy e Baird
Hughes fora contratado para a temporada 2007/08, ao lado de outros três norte-irlandeses. A nacionalidade em comum não era coincidência: o time seria treinado por Lawrie Sanchez, de boa campanha com a seleção da Irlanda do Norte pouco antes. Sua liderança rapidamente o fez um dos principais jogadores daquela equipe, que escapou do rebaixamento na última rodada da liga, já sob o comando de Roy Hodgson.

Com Hodgson, o defensor - assim com o Fulham - viveu seus melhores momentos. O técnico trouxe Hangeland do futebol dinamarquês e os dois formaram uma sólida dupla de zaga, que terminou como uma das menos vazadas em 2008/09. Os resultados continuaram vindo e Hughes foi figura importante na campanha do vice-campeonato europeu, na temporada seguinte.


Pelos Cottagers, Hughes foi vice na Liga Europa

Posteriormente, sob o comando de Mark Hughes e Martin Jol, o norte-irlandês seguiu como titular indiscutível. Na última temporada, porém, já não era uma unanimidade dentro do Craven Cottage. Por fim, em 2013/14, acabou indo pro banco graças às seguidas falhas.
Em 2013/14, poucos jogos, muitas falhas e despedida
Na última semana, contra o Sheffield United, Hughes completou 250 jogos pelos Whites. Foram três gols e muitas alegrias aos fãs. Por isso mesmo, o zagueiro merece todo o sucesso no restante de sua carreira.