Escalação e atuação ruins provocam derrota em Manchester

Dzeko (10) anotou o terceiro, em partida disputada sob 0°C
Poucas coisas positivas podem ser tiradas do jogo deste sábado, no Ettihad Stadium, em Manchester. O Fulham levou 3 a 0 do líder Manchester City e permaneceu em situação incômoda na tabela de classificação da liga inglesa - é o 14° colocado. Mais uma vez, Martin Jol resolveu apostar em novidades na escalação. Mais uma vez, tudo foi por água abaixo.


A primeira novidade veio no gol. Recuperado de um problema no pescoço, Mark Schwarzer voltou a ser titular após um mês ausente. O jovem David Stockdale, que chamou atenção por suas ótimas atuações, foi para o banco. Na lateral-esquerda, John Riise foi sacado para improvisar Chris Baird, lateral mais defensivo - e que teve uma atuação lamentável, conforme veremos a seguir. Na frente, Bryan Ruiz, de boa atuação contra o WBA, deu lugar ao recuperado Moussa Dembele.
Sensação térmica de -6° para City e Fulham
Sem nenhum centroavante, o Fulham se acuou na defesa desde o início. Nos primeiros minutos, Schwarzer interveio para negar o gol a Dzeko. Mas a suposta "muralha defensiva" começou a ruir: Baird foi estabanado e derrubou Johnson na área, num pênalti que Agüero não desperdiçou aos 10 minutos, 1 a 0.

Os Whites ameaçaram responder com Simon Davies, mas Hart fez boa defesa em chute do galês. Tudo ficaria mais diícil aos 30 minutos. Pela ponta direita, Adam Johnson chutou cruzado para o meio da área e Baird mandou contra o próprio gol: 2 a 0.

Neve no gramado em Manchester
 Martin Jol assentiu à passividade com que o Fulham encarava a partida e não realizou trocas para a etapa final. Na verdade, sua primeira mudança veio aos 23 minutos, chamando Ruiz para o lugar de Etuhu. E, aos 27, os Citizens fizeram o terceiro gol. Agüero, em jogada individual, passou como quis por Senderos e rolou para Dzeko concluir para fechar o placar.

Tentando corrigir seus erros, Jol ainda colocou Riise em campo. O noruguês até criou uma boa oportunidade, mas viu sua finalização ser bem defendida por Hart. Com um show de erros pelo lado dos londrinos, a partida acabou e a sensação é mesmo de que a temporada foi jogada no lixo pelo manager holandês.

Os próximos dois duelos cottagers serão decisivos, pois ambos são contra adversários que se encontram próximos na tabela. No próximo sábado, o time recebe o Stoke, 12° colocado. Depois, visita o QPR, atualmente em 16°. Este deverá ser o reencontro de Fulham e Bobby Zamora.

Manchester City: Hart, Richards, Savic, Lescott, Kolarov, Barry, Johnson (Pizarro), Silva, Nasri (Milner), Agüero (De Jong) e Dzeko.
Fulham: Schwarzer, Kelly, Senderos (Riise), Hangeland, Baird, Etuhu (Ruiz), Murphy, Duff, Davies, Dempsey e Dembele (Gecov).

Fotos: Fulham FC

Confira os gols da vitória dos Sky Blues aqui, no site da ESPN Brasil.

Um comentário:

  1. É certo que o jogo seria muito difícil, mas não deu pra entender a barração de Stockdale, Riise e Ruiz. O time entrou amedrontado e ainda foi castigado com aquele penalti absurdo logo no início. Deve ser cobrado do técnico o porquê da opção pela escalação, que se mostrou totalmente equivocada. Alguém sabe por que Brian Ruiz não vem jogando como titular. Eu, sinceramente, não consigo entender. Penso que ele é nosso melhor jogador longe longe.

    ResponderExcluir